Selecione
Selecione

Financiamento: melhor colocar o imóvel à venda ou renegociar a dívida?

Compartilhe:
blog,financiamento-melhor-colocar-o-imovel-a-venda-ou-renegociar-a-divida-,231

A pandemia gerada pelo coronavírus limitou o orçamento de milhares de pessoas pelo mundo. Se você fez um financiamento para comprar um imóvel antes da crise (em que aparentemente era o momento perfeito para tal atitude), conheça algumas possibilidades que poderão te auxiliar neste momento difícil. Entenda o cenário, analise as alternativas e decida se no seu caso é melhor colocar o imóvel à venda ou renegociar a dívida.

Se você sentir que o orçamento está apertando, a primeira coisa a se fazer é analisar todos os detalhes do contrato de financiamento do imóvel. O economista Marcelo Barros atenta para a existência do seguro contra desemprego, que pode estar incluso no seu valor pago e possibilitar a cobertura de algumas prestações enquanto suas finanças são recuperadas. Apesar desse tipo de seguro ainda não ser muito utilizado pelas construtoras, é importante fazer a verificação.

Marcelo Barros aponta como uma das alternativas a renegociação com a própria construtora ou com o banco, para uma tentativa de reduzir o valor da prestação e aumentar o prazo de pagamento. Em um cenário de muita instabilidade econômica, é provável se encontrar mais flexibilidade nessas instituições e encontrar uma boa abertura de renegociação. Tenha em mente, entretanto, que o que vale no final é o que está estipulado no contrato.

Uma outra opção que está sendo oferecida por diversas instituições financeiras é a pausa das parcelas do financiamento por um período de 90 dias. Se ter aproximadamente 3 meses para organizar seu caixa e retomar o pagamento das prestações pode resolver seu problema, entre em contato com seu banco para verificar a possibilidade. Cabe também atentar à possibilidade de transferência da dívida para outra instituição financeira, caso seja necessário ou vantajoso.

Outra possibilidade se dá na tentativa de uso do recurso do FGTS para abater o valor da dívida. Você terá um saldo devedor menor, mantendo o mesmo prazo de pagamento. Dessa forma, você diminuirá o valor da prestação, o que pode ser suficiente para estabilizar seu fluxo de caixa. É importante ter em mente que o recurso do FGTS só pode ser usado em intervalos a cada dois anos e você não poderá utilizar caso tenha o mobilizado nos últimos dois anos.

Você poderá utilizar o recurso também para quitar prestações, caso seja mais interessante para a sua situação financeira. É possível validar o pagamento de até doze parcelas, dentre elas podendo ser até três parcelas vencidas. Neste caso, após a operação, pode-se usar o recurso novamente e, no total, é possível usar os recursos do fundo para pagar até 80% das prestações, somando juros e multas de parcelas vencidas.

Caso nenhuma das opções anteriores funcione para a sua situação, é necessário pensar na venda do imóvel. É importante atentar ao fato de que se embolar em dívidas pode, no fim das contas, levar o imóvel a leilão de qualquer jeito, e ainda deixar enormes dívidas. Entretanto, é necessário ter consciência de que, com a crise e a grande oferta de imóveis à venda no mercado, você pode não conseguir o valor que seria mais justo pelo seu imóvel.

Em tempo difíceis, precisamos optar pelo caminho que trará menos malefícios, evitando ao máximo a inadimplência, e lembrar que o mercado irá reagir e se recuperar.


Fonte: Revista ZAP Imóveis